Depois de enfiar a agenda gayzista goela abaixo, esquerdistas querem legalizar a pedofilia

26/10/2013 12:49

Depois de enfiar a agenda gayzista goela abaixo, esquerdistas querem legalizar a pedofilia

 

Depois de enfiar a agenda gayzista goela abaixo, esquerdistas querem legalizar a pedofilia
Publicado em 23 de outubro de 2013 por Esquerdopatia

Rate This

Por Matt Barber, do WorldNetDaily

Já não basta mais a retórica esquerdista de liberdade sexual para adultos. Os “progressistas”[1] foram aumentando seus esforços para tornar normal o conceito de liberdade sexual, um qualificador menos complicado para liberar geral, para tornar desenfreada a libertinagem sexual.
Tornar aceitável e tolerável os conceitos de “romance inter geracional” ou “atração de adultos por menores” é a nova frente de batalha desta corja de malditos hoje em dia.
Você já ouviu falar de Kaitlyn Hunt? Desde meados do ano passado, essa “pobre e incompreendida” lésbica, conhecida também pelo apelido de “Kate”, tornou-se a mais célebre causa do combate à “perseguição de gays” entre os ativistas dos “direitos homossexuais” e outras coligações de esquerdistas pervertidos dos Estados Unidos.
Apesar das manifestações em massa e petições online assinadas por centenas de milhares de”tolerantes”, a Justiça Penal do Estado da Flórida – claramente “homofóbica” – condenou Kaitlyn Hunt por ter repetidamente abusado sexualmente uma menina de 14 anos.
Como são puritanos esses juízes da Florida…
“Ah, mas a vítima menor de idade supostamente consentiu”, alegou a multidão que integra o movimento “Libertem Kate”, que vê o ocorrido como uma relação inofensiva. No entanto, a lei diz que crianças menores de idade não podem consentir em fazer sexo com adultos e ponto final.
Ainda assim, a caterva “progressista” evidentemente decidiu que esta era uma luta válida para avançar nos “direitos dos homossexuais” e ao mesmo tempo atacar as leis que protegem os menores de idade contra predadores sexuais, como Kate.
O jornalista veterano Robert Stacy McCain cobriu o caso de Kate extensivamente. Em um artigo recente para o The American Spectator, intitulado “Sim, Kaitlyn Hunt é culpada e, sim, há um movimento tornar normal a pedofilia“, McCain escreve: “Kaitlyn Hunt é uma criminosa. Podemos afirmar isso como um fato objetivo, pois a ex-líder de torcida (cheerleader) assumiu ser culpada dos vários crimes envolvendo o seu relacionamento sexual com uma menor.
Em paralelo ao julgamento, não há dúvida de que existe um movimento para categoricamente normalizar a pedofilia. Eu testemunhei em primeira mão e, apesar dos protestos “progressistas”, o movimento pelos “direitos dos pedófilos” está inexoravelmente ligado ao chamado movimento dos “direitos dos homossexuais”.
Dois anos atrás eu – junto com o venerável Dr. Judith Reisman, advogado defensor da infância – participamos de uma conferência organizada pelo grupo pedófilo B4U-ACT. Cerca de 50 pessoas estavam presentes, incluindo vários pedófilos assumidos (ou “pessoas atraídas por menores”, como eles eufemisticamente preferem ser chamados).
Também estiveram presentes “ativistas gays” e vários profissionais da saúde, favoráveis à causa. O “sexólogo” de renome mundial, Dr. Fred Berlin, da Universidade John Hopkins, abriu sua palestra com a frase: “Quero dar meu total apoio à meta do B4U-ACT”.
Aqui estão alguns destaques da conferência:
Os pedófilos são “injustamente estigmatizados e demonizados” pela sociedade.
“Nós não somos obrigados a interferir ou inibir a sexualidade das crianças”.
“As crianças não são inerentemente incapazes de consentimento” para fazer sexo com um adulto.
O desejo de um adulto de ter sexo com crianças é “normal”.
“Essas coisas [atos de pedofilia] não são como preto e branco; há várias tonalidades de cinza”.
A crença comum compartilhada, tanto pelos dois conferencistas quanto pelos pedófilos é que, pelo fato de haver a vilificação dos pedófilos, a pedofilia não deve ser mais considerada como um transtorno mental, conforme diz o Manual Americano de Psiquiatria e Transtornos Mentais”, ou DSM, da mesma forma que a homossexualidade foi removida do DSM como transtorno mental em 1973.
Dr. Fred Berlin reconheceu que foi o ativismo político e não a pesquisa científica que conduziu com sucesso a desclassificação da homossexualidade como um transtorno mental : A razão pela qual “a homossexualidade foi retirada do DSM é que as pessoas não querem que o governo se meta nos assuntos privados”, disse ele. Esse mesmo ativismo político estava presente naquela conferência.
O DSM ignora que os pedófilos “têm sentimentos de amor e romance por crianças” do mesmo modo como os adultos se amam.
O DSM deve “focar nas necessidades” do pedófilo, e deve ter”um foco mínimo sobre controle social”, ao invés de ficar obcecado sobre a “necessidade de proteger as crianças”.
O autointitulado “ativista gay” e palestrante Jacob Breslow, disse que as crianças podem ser adequadamente “o objeto de nossa atração”. Ele “coisificou” as crianças, sugerindo que os pedófilos não precisam obter o consentimento “daquilo” [crianças], assim como não precisam do consentimento de um sapato para calçá-lo. Ele então usou uma linguagem chula e gírias para descrever favoravelmente o ato de clímax (ejaculação) “em” ou “com uma” criança. Ninguém na platéia esboçou qualquer reação de repulsa a esta descrição explícita de abuso sexual infantil. Havia até mesmo gargalhadas.
Você pode pensar que esse mal abjeto representa simplesmente uma parte marginal do “progressismo sexual” de hoje. Não. Ele representa os que são sinceros.
Imagine, por exemplo, que durante o primeiro mandato de Obama, o site oficial do Ministério da Saúde (Departamento de Saúde e Serviços Humanos, nos EUA), colocasse um link chamado “dicas para os pais” e que, neste link, as crianças fossem descritas como “seres sexuais” e sugerisse que elas deveriam experimentar a homossexualidade e a masturbação…
Obama nomeou Kevin Jennings, fundador da “Rede de Educação para gays, lésbicas e heterossexuais”, ou REGLH , para o cargo de “czar das escolas seguras”.O cargo não existe mais, aparentemente devido à indignação nacional sobre a nomeação de Jennings.
Em consonância com os objetivos velados da B4U-ACT, a REGLH parece estar intercedendo em favor dos pedófilos, tendo tacitamente defendido o sexo entre adultos e crianças por meio de sua “lista de leitura recomendada” para crianças.
Isto, não é surpresa quando se sabe que um dos heróis ideológicos de Jennings foi Harry Hay, o “pai fundador” do ativismo homossexual. “Uma das pessoas que sempre me inspirou foi Harry Hay”, disse ele.
Harry Hay era marginalizado? Não, não entre os ativistas gays. Ele é um ícone. Novamente, ele apenas é sincero. Em 1983, ao discursar na pedófila Associação Norte Americana de Amor Homem/Menino (North American Man/Boy Love Association), ou NAM/BLA, Hay disse o seguinte : “Parece- me que na comunidade gay as pessoas que deveriam estar intercedendo em favor da NAM/BLA são os pais e os amigos dos gays. Porque, se os pais e os amigos dos gays são verdadeiramente amigos dos gays, eles saberiam de seus filhos que são gays que o relacionamento com um homem mais velho é precisamente o que garotos de 13, 14 ou 15 anos de idade precisam, mais do que qualquer outra coisa no mundo. E eles [pais/amigos dos gays] seriam receptivos à oportunidade de meninos gays terem o tipo de experiência que eles [os meninos] precisam”.
Se estivesse vivo hoje, Harry Hay provavelmente teria liderado o movimento “Libertem Kate”.
E por “Libertem Kate”, ele quereria dizer – e é o que eles realmente querem dizer: “Libertem-nos”.
E por “libertem-nos “, é claro , o que eles realmente querem dizer é ” liberem suas crianças”.
Comentário nosso: Como o movimento gayzista é muito bem financiado mundialmente e conta com a ajuda praticamente irrestrita da mídia internacional, de governos “progressistas”, de incontáveis ONGs e da classe artística em geral, podemos ver em todos os países do mundo um crescente movimento para enfiar goela abaixo da sociedade a agenda gayzista e criminalizar qualquer resistência à erosão da moral e das bases familiares. No Brasil, por exemplo, tivemos o malfadado kit gay, distribuído (e depois recolhido, devido à indignação geral) para as crianças da rede pública de ensino. Nas novelas da Globo, por exemplo, o que não falta é propaganda do movimento gay, seja de modo velado ou explícito. Qualquer um que se recuse a aceitar a agenda da gaystapo é intolerante, ignorante, fanático, fascista, etc.
Pode aguardar, pois em breve teremos movimentos pró pedofilia em terras tupiniquins, na mesma intensidade que temos no movimento gay. E pobres daqueles que forem contra.
[1] A nova autodenominação usada pelos comunistas/socialistas/esquerdistas

Fonte: http://www.wnd.com/2013/10/lefts-new-crusade-adult-kid-sex/