Marketing Viral: Como fazer?

08/10/2013 10:34

Marketing Viral: Como fazer?

 

Marketing Viral: Como fazer?

Olá amigos pensadores de marketing digital.

Hoje vamos pensar juntos sobre marketing viral, muito se fala de marketing viral, viralização, conteúdo viral. Existe uma mística em torno desses aspectos e muitos acham que o marketing viral se limita a vídeos de cachorrinhos, gatinhos e crianças fazendo alguma coisa engraçada.
O marketing viral na verdade significa desenvolver um conteúdo, uma promoção ou uma ferramenta com o intuito de ser compartilhado pelo seu público-alvo e é importante que tenha relação direta ao seu negócio. Foco sempre na propagação, essa é uma das armas mais fortes do marketing digital, utilizar o grau de atratividade do consumidor ao seu favor. Importante também ressaltar que o marketing viral é uma grande força do inbound marketing.
Por que fazer marketing viral?

1- Para baixar o custo de aquisição de novos clientes;

2- Aumentar a conversão em vendas ou em geração de contatos (leads);

3- Crescer o ativo de marketing (seguidores no Twitter, curtir no Facebook, E-mails de cadastro, assinantes no Blog);

4- Aumentar sua relevância para o Google (Link Building).
Quando falamos em Marketing Viral falamos em Loop Viral veja um exemplo:



Os loops virais são modelos nos quais devemos nos basear para construir ou otimizar o processo pelo qual as pessoas conhecem e compartilhar o conteúdo ou ferramenta.
Tipos de materiais utilizados no marketing viral:








Publicação de Conteúdo: Webnairs, Cursos Gratuitos,E-books (412 E-book de comunicação, web, mídias sociais), Tamplates de documentos, Infográficos, Whitepaper, Slides de palestras e treinamentos como este (Como vender mais utilizando a internet).

Ferramentas: Ferramentas gratuitas, Aplicativos online, Aplicativos mobile, Widgets.
Promoção: Descontos, Brindes, Promoções de um modo geral sempre com um viés de propagação.

Dicas e Táticas de Marketing Viral:

1- Não fique em cima do muro, as pessoas compartilham coisas emocionais mesmo que isso mexa com elas negativamente não tenha medo de fazer algo polêmico.
2- Faça algo inesperado, se o que você está oferecendo não for convencional, há uma chance de mexer emocionalmente com sua audiência.
3- Não faça propaganda, as pessoas compartilham algo sobre elas mesmas e não sobre você. Para criar algo que espalhe de forma viral pense no que as pessoas costumam compartilhar. Ex: novidades, entretenimento, informação, conhecimento, utilidade. Veja outras dicas de produção de conteúdo voltado para a propagação.
4- Facilite o compartilhamento, insira os botões de twittar, +1, e Curtir em suas postagens e conteúdo. Peça para as pessoas compartilharem alguns estudos comprovam que pedir para compartilhar dá um empurrão final em pessoas que já tem intenção de compartilhar algo.
5- Evite restringir o acesso, se o conteúdo não for aberto ou não tiver gratificação rápida a tendência de ser compartilhado é bem menor.
6- Faça o grupo de usuários o maior possível, quanto maior seu público inicial maior o número de pessoas atingidas. Para aumentar consideravelmente o grupo inicial é interessante utilizar links patrocinados: Google Adwords, Facebook Ads, Outros links patrocinados).
7- Reforce o loop continuamente, use os canais que estiverem disponíveis para renovar o gás no loop viral.
8- Mensure e otimize, meça todas as partes do seu loop viral como se fosse um funil de vendas, identifique pontos de bloqueio, faça testes e pense fluxos alternativos.
Se você gostou desse artigo compartilhe com seus amigos clicando em algum dos links a baixo acima ou ao lado. Se deseja acrescentar algo comente, gostaria de saber sua opinião sobre esse assunto.

Fonte: http://www.pedroquintanilha.com.br/marketing-digital/marketing-viral-como-fazer/ 


Como fazer?

Hoje em dia, sabemos que a verdade sobre o sucesso de um viral é uma mistura dos dois casos: existem, sim, muitos fatores de viralização que estão fora do alcançe das agências, porém também existem diversos estudos que ajudam a criar campanhas com potencial de viralização muito alto. Jonah Berger, professor da Universidade da Pennsylvania, passou boa parte da sua vida acadêmica estudando o efeito viral e diz ter criado uma fórmula para tentar entender a construção de um viral de sucesso, baseada em 6 passos. Isso não significa, porém, que ficou fácil fazer viral. Marketing Viral é uma ciência, depende de muito estudo e de muita validação de hipótese, além do mais importante que é entender que a campanha precisa causar uma reação emocional: faça rir, pensar ou chorar, mas faça o consumidor sentir algo.
Abaixo eu separei alguns exemplos de cases virais recentes e seus views. Vale lembrar que os números que coloquei junto de cada vídeo crescem a cada dia e representam as visualizações somente daquele vídeo. Um viral costuma ser replicado dezenas de vezes em canais diferentes, tornando cada vez mais difícil medir o número exato: Dove - Retratos da Real Beleza - Mais de 5 milhões de views

O outro lado

Mas nem tudo são flores no mundo do Viral. Muito pelo contrário: para cada caso de sucesso existem muitos casos falhos dos quais as vezes nem chegamos a ficar sabendo.
Um dos casos mais clássicos é o da Nike: quando o Corinthians esteve na final da Copa Santander Libertadores, a Nike veiculou uma carta endereçada à "maior torcida do Brasil", que seria a de anti-corintianos. Um dos trechos da carta dizia: "Não adianta disfarçar. Sabemos que você assiste aos nossos jogos. Escutamos os seus gritos e seus rojões quando perdemos. Você acha que torce para um time, mas não. Você é parte de uma torcida sem nome, sem bandeira, sem grito. Uma torcida sem time que não entende este bando de loucos". Obviamente, muitos corintianos gostaram da ação.
Neste caso, a Nike cometeu duas gafes: como a marca também era parceira do Boca Juniors, justamente o rival do Corinthians na final, fez uma ação muito similar na Argentina. Desse modo, acabou torcendo para os dois lados. Além disso a empresa também é parceiras de outros 4 times no Brasil e torcedores destes e de outros times afirmaram, na ocasião, que não comprariam mais produtos da marca. 

Cada caso é um caso

Marcos Hiller, coordenador do MBA de gestão de marcas da Trevisan Escola de Negócios afirma: fazer viral "é assumir um risco". Segundo Marcos, "as empresas precisam se preocupar mais com a construção da marca. Esse tipo de ação gera 'likes' no Facebook, mas gera pouco retorno em vendas. A pergunta não deve ser quantos acessos teve o vídeo, mas o quanto de market share de fato todo esse barulho vai gerar".
Ou seja, é preciso analisar se a estratégia de marketing viral está alinhada ao posicionamento do negócio e, talvez mais importante, se faz parte da cultura da marca. "O foco deve estar voltado para a construção da marca de forma consistente, no longo prazo, e não em uma campanha. Na era da informação, a ordem é fazer barulho. Mas são poucas as coisas que de fato não são esquecidas pelas pessoas no dia seguinte", finaliza Marcos.

Para mais informações, visitem:
 http://www.princiweb.com.br/blog/marketing-digital/midias-sociais/conheca-o-que-e-marketing-viral.html



http://mariopersona.com.br/entrevista_revista_recall.html


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!