O Feminismo e as doenças das mulheres

16/08/2013 17:56

O Feminismo e as doenças das mulheres

 


 




 

Eu estou elaborando uma teoria, baseada no Distúrbio de Déficit de Atenção, ou Disfunção Cerebral Mínima, que pode dar uma explicação cientifica para o fenômeno das mulheres só se atraírem por bandidos e cafajestes. Eu acredito que as mulheres sofrem de algo parecido com o DDA. As pessoas com esse distúrbio só conseguem ligar e ativar os seus córtex cerebral, quando estão submetidas a altas doses de emoções negativas (medo, raiva, ansiedade), então, tais pessoas inconscientemente se metem em problemas porque a tensão emocional faz com que elas ativem seus córtex cerebrais. Quem sofre desse distúrbio, precisa tomar para o resto da vida um medicamento chamado Ritalina, porque senão, elas sempre dependerão das emoções negativas para ativar seus córtex. Vejam bem, que eu não tenho certeza se a explicação é isso mesmo, isso é só uma hipótese, uma teoria, que precisaria ser testada pelo método científico para ser comprovada ou invalidada. Mas pelo que eu já pesquisei em diversos livros, eu acredito que essa minha hipótese é bem razoável e tem chances de ser verdadeira. Nesse caso, para curar as mulheres, bastaria darmos a ela dois comprimidos de Ritalina por dia, um de manhã e outro à tarde e elas iriam parar com tantas putarias irracionais. Antes que as feministas venham me criticar aqui, eu quero dizer que eu mesmo tenho Déficit de Atenção. Uma das características de pessoas com DDA, é que elas conseguem se concentrar facilmente nos assuntos que naturalmente interessam a elas. No entanto, quando elas precisam se concentrar em outros tipos de assunto, que não interessam naturalmente a elas, tais como as matérias da escola, física, matemática, ou geometria ou então os problemas do cônjuge, simplesmente o córtex pré-frontal permanece desligado e a informação é incapaz de ser processada. Por isso foi muito dificil para mim descobrir que eu tinha Distúrbio de Déficit de Atenção, porque eu sempre li muitos livros, sempre comprava dezenas e centenas de livros e devorava-os. Mas as matérias da escola e Universidade eu não conseguia me ligar e estudá-las. Naquela época eu só conseguia estudar quando eu ficava totalmente apavorado. Portanto, para mim, estudar era como caminhar num calvário. Doía, era desagradável. Mas mesmo assim, aos trancos e barrancos eu consegui me formar. E cerca de uns dois anos depois de estar formado, eu estava lendo uma revista de musculação que tinha um artigo sobre o neurotransmissor dopamina e numa parte do artigo estavam falando de algo que acontecia comigo: Quem tem deficiência de dopamina no cérebro, não consegue estudar por vontade própria, mas consegue ler facilmente assuntos que naturalmente a interessem. Então, eu fui pesquisar sobre dopamina, achei a Ritalina e o Déficit de Atenção. Comprei um livro do Dr. Daniel G. Amen: "Transforme seu cérebro, transforme sua vida" e eu percebi desde as primeiras páginas que o meu caso era um caso clássico de pessoa que sofre de DDA, ou Distúrbio de Déficit de Atenção. Então eu tentei comprar a Ritalina em uma farmácia e me informaram que só poderiam vender se eu apresentasse uma receita amarela. Daí eu liguei para todos os consultórios médicos da minha cidade perguntando se o médico tinha receita amarela e descobri um psiquiatra que tinha, então marquei consulta com ele, e ele também concordou que o meu caso era de DDA e me receitou três caixas de Ritalina. Quando eu tomei o primeiro comprimido de Ritalina, eu peguei uma apostila de Direito Constitucional e comecei a ler, então depois de um certo tempo eu fui olhar para o relógio e tinha passado 4 horas!!!! E eu nem tinha percebido. Eu nunca havia conseguido estudar antes mais do que 15 minutos seguidos, sem me distrair e dessa vez, eu havia estudado 4 horas seguidas, sem parar, sem me cansar e depois eu ME LEMBRAVA DE TUDO QUE HAVIA ESTUDADO. Me deu vontade de chorar, porque eu só fui descobrir a Ritalina dois anos DEPOIS de estar formado na faculdade. Ou seja, durante toda a minha vida escolar eu tive que conviver com uma doença incurável: o DDA, que impedia o meu cérebro de funcionar corretamente e durante toda aquela época eu só culpava a mim mesmo pelos meus fracassos acadêmicos. 
No ano passado, eu usei duas caixas de Ritalina e estudei por cerca de um mês para um concurso publico na Universidade onde trabalho e passei em 2º lugar. Mesmo sem eu ter títulos para contar pontos na prova de títulos, eu passei em 2º lugar, e estudei só por um mês, mas eu estudei tomando Ritalina. 
Mas o que a Ritalina faz? O cérebro humano tem três partes: o córtex pré-frontal, o sistema límbico e o cérebro reptiliano. Este último, o reptiliano é a parte central do cérebro e também a mais primitiva. Essa parte do nosso cérebro é igual à que tem em répteis e anfibios, tais como jacarés, crocodilos, cobras e é responsável pelas funções básicas de funcionamento do organismo: visão, olfato, instintos, fome, digestão, etc. Cobrindo essa parte, se encontra o sistema límbico, que é comum aos seres humanos e aos mamíferos e é responsável pelas emoções e sentimentos desses animais. Por essa razão nós conseguimos fazer amizade com um cachorro; mas não conseguimos cativar uma cobra ou um crocodilo, mesmo que os criemos desde pequenos. As cobras não têm sistema límbico e, portanto, não possuem emoções. Já os cachorros e outros mamíferos, possuem um pequeno sistema límbico, o que permite a eles se conectarem a outros seres, emocionalmente. Por fim, na parte mais externa do cérebro se encontra o córtex cerebral, ou córtex pré-frontal, e que é responsável pela razão nos seres humanos. Apenas a raça humana possui córtex pré-frontal. Mas uma pessoa como eu, e como as feministas, que tem Déficit de Atenção, conseguem usar o córtex pré-frontal apenas se sentir uma forte emoção oriunda do sistema límbico, ou então, se tomar Ritalina. Mas a pessoa normal ativa o córtex quando ela quer, sem ter que recorrer a esses truques de emoção ou de medicamento. Então, muitas pessoas, homens e mulheres, que sofrem de Distúrbio de Déficit de Atenção, passam a dedicar as suas vidas a atividades extremamente perigosas, pois elas precisam da emoção do perigo, para ativarem os seus córtex. Elas fazem isso inconscientemente. Muitos criminosos se dedicam ao crime por causa disso, porque precisam das fortes emoções de medo e fuga da policia para ativarem seus córtex.








Vejam só os casos dos traficantes de drogas e consumidores de cocaína. Muitos dos que usam cocaína são pessoas que sofrem de Déficit de Atenção e o uso da cocaína ativa os córtex cerebrais daquelas pessoas e é só por isso que existem tantos viciados em cocaína hoje em dia. O problema é que a cocaína é uma molécula degenerativa, além de ser fabricada em condições de pouca higiêne, misturada a pó-de-vidro e outras substãncias letais. Então, os viciados em cocaína jamais vão abandonar a droga, porque eles sentem que o cérebro deles funciona melhor quando eles usam a cocaína e é verdade; mas como a cocaína é uma droga clandestina, mal feita, ela ativa o cérebro ao mesmo tempo que o estraga. É como colocar nitroglicerina misturado na gasolina do carro. Nós vamos conseguir correr o dobro do que normalmente correríamos com o carro; mas o motor vai estragar totalmente e arrebentar todo. Já a Ritalina, ela ativa o córtex cerebral sem causar os maleficios da cocaína. Além de ser muito mais barata, é um medicamento seguro, pois ele existe no mercado desde 1950 e já foi amplamente testada e estudada. O Déficit de Atenção também explica a existência de tantos alpinistas, exploradores que buscam perigo, corredores de automóveis que vivem de adrenalina, e até mesmo criminosos, que só se sentem bem, quando se sentem mal, quando sentem que a policia está perseguindo eles e que suas vidas serão arruinadas se forem capturados. Mas nem sempre a busca por confusão nas pessoas com DDA é tão dramática a ponto de ter que chamarmos a policia. Na grande maioria dos casos, essas pessoas se contentam em provocar um inferno emocional nos seus amigos e familiares, através de constantes discussões, birras, para receberem deles respostas igualmente emocionais, que vai agitar seus cérebros e dar a eles a estimulação mental que tanto precisam. Por isso que mulheres com DDA se metem em confusão o tempo todo, brigam com o marido, arranjam amantes e fazem questão de serem descuidadas, porque inconscientemente elas querem ser pegas pelo marido, porque as broncas e brigas do marido a farão ter um medo tão grande que vai ativar o córtex pré-frontal dela e mesmo que ela não admita, é só isso que ela quer ao ter um amante. 
Para muitas mulheres, é necessário também combinar outro medicamento para reprimir as emoções negativas do sistema límbico: algum antidepressivo pode resolver esse problema. Também é importante para a mulher ir no ginecologista e no endocrinologista e fazer um exame de sangue para verificar o equilibrio hormonal do seu organismo, porque o desequilibrio desses sistemas também são os responsáveis pela instabilidade emocional de muitas mulheres e são os culpados de muitos divórcios e separações, que poderiam ter sido facilmente evitados, se a mulher tivesse apenas tomado um simples comprimido por semana.
Vejam abaixo uma descrição da TPM das mulheres:
“Todos os meses, tenho os piores dias da minha vida. Minhas pernas incham e minhas costas doem, mas o pior é a sensação de tristeza extrema como se nada fizesse sentido. Ninguém entende minha irritação nem tem a obrigação de entender. Porém, isso está além das minhas forças e só passa depois da menstruação”. Esse é o desabafo da leitora Ana Cristina, 35 anos, profissional liberal. Se você se reconhece nessa declaração e está na TPM, antes de comer o último bombom da caixa, saiba que existe tratamento para esse mal, que atinge 80% das mulheres do planeta.

Principais sintomas

Tristeza, choro fácil (até assistindo comercial de margarina), irritabilidade, compulsão por doces, diminuição do desejo sexual, distúrbios do sono, dor nas mamas e retenção de líquidos. Esses sintomas começam na segunda fase do ciclo menstrual, de 15 a 10 dias antes da menstruação, e terminam logo que ela chega.
Carolina Ambrogini, ginecologista, obstetra e sexóloga da Unifesp, ouve frequentemente relatos de mulheres que sofrem com a TPM. “Este desequilíbrio é muito individual, de acordo com a sensibilidade de cada mulher, por isso umas têm TPM e outras nem sabem o que é isso”, avalia. A especialista afirma que os tratamentos também variam. A mulher pode escolher não menstruar usando métodos contínuos, como a pílula, o implante ou DIU hormonal, sem prejuízos à saúde. ”Para quem quer continuar menstruando, é possível adotar medidas simples, como a prática de atividade física e evitar a ingestão de alimentos excitantes”, complementa.

Tratamentos

A ginecologista informa que os casos leves podem ser tratados com fórmulas com cálcio, magnésio e vitamina E, além dos ácidos gamalinoleicos. Os quadros mais graves, que comprometem a qualidade de vida da mulher, podem exigir o uso de antidepressivos no período da tensão, que vão equilibrar os neurotransmissores que estão oscilando.
A médica garante que a visão da medicina em relação à TPM mudou bastante, assim como houve avanços no tratamento. “Hoje, a TPM não é mais encarada como uma ‘frescura’. Há muita pesquisa e produtos desenvolvidos pensando nisso, como certas pílulas anticoncepcionais e antidepressivos de tomada única (sete doses em um único comprimido de liberação lenta)”, destaca.

Afinal, o que é a TPM?

- É um desequilíbrio em alguns neurotransmissores, como a serotonina, que regulam o humor.

- Isso acontece da seguinte forma: quando a mulher ovula, produz um hormônio que se chama progesterona, preparando o corpo para uma possível gravidez.

- Quando isso não ocorre, por volta de uns sete dias antes da menstruação, a progesterona e o estrogênio começam a diminuir, o que gera o desequilíbrio nos neurotransmissores, prejudicando o humor e a sensação de bem-estar.
E isso são apenas os problemas orgânicos e hormonais. Agora somem a esses os incontáveis distúrbios psicológicos que as mulheres têm: complexo de inferioridade, complexo de superioridade, depressão, fobia, paranóia, sindrome de tourette, possessão diabólica e jogue a culpa de todas essas doenças no homem (objetivo do feminismo) e continue sofrendo em paz, com a certeza de que você estragou o dia e a vida de um homem inocente que não tinha nada a ver com os seus problemas.
Some-se ainda as numerosas falhas morais que as mulheres possuem: de sempre mentir, distorcer a realidade, discutir por coisas bobas, serem atraídas por cafajestes, nunca admitirem a própria culpa em nada, infernizar a vida psicológica dos homens, enfim, se eu fosse continuar aqui falando dos defeitos psicológicos das mulheres, esse post não teria fim nunca. Agora, nem vou falar dos defeitos físicos, menstruação, fraqueza muscular, celulites, gorduras localizadas etc, etc.
As mulheres são naturalmente e biologicamente complicadas e contraditórias. Temos que ter paciência com elas; mas haja o que houver, não podemos deixar elas terem as decisões finais, pois é quase certo que elas vão decidir pelo absurdo e pelo irracional.





As mulheres são complicadas não é? Mas calma, que nós homens aguentariamos todas as putarias acima de bom grado, afinal, tudo o que eu descrevi acima já faz parte da constituição inerente a TODAS AS MULHERES. Então, no fundo, não é culpa delas serem tão malucas desse jeito. O problema surge, quando aparece um movimento ideológico de fanatismo, chamado de feminismo, que vem e quer colocar toda a responsabilidade pelas loucuras e insanidades femininas em cima dos homens. Toda a responsabilidade para os homens; mas todos os direitos para as mulheres. Todos os deveres para os homens; mas todos os privilégios para as mulheres. Todo o sofrimento para os homens; mas todo prazer para as mulheres. É como se um homem e uma mulher concordassem em pedir uma pizza e rachassem em meio a meio o pagamento. Ai, quando chega a pizza, a mulher fala: Agora, vamos dividir a pizza por dois: eu fico com a pizza e você fica com a embalagem. Isso é o feminismo, esses são os "direitos iguais" que as feministas querem. Todo prazer para elas; e todo sofrimento para os homens.
As feministas têm usado essa tolerância que os homens têm para com as mulheres, para se aproveitarem e conseguirem direitos que não são devidos a elas. Ora, as mulheres feministas atuais não merecem mais privilégio nenhum, porque primeiro, elas renegaram seu papel de mães, fazem abortos, infanticidio, se esterilizam antes de terem tido qualquer filho, então, por que razão a sociedade moderna ainda teima em proteger as mulheres? Na próxima guerra que houver, as mulheres deverão ser convocadas para as batalhas na mesma proporção em que os homens são convocados, porque a mulher moderna não quer mais ser mãe, então, não há mais lógica em querer proteger uma lésbica seja na guerra ou na paz, ela nunca será mãe, nunca contribuirá para a perpetuação da espécie. Então, que contribua dando a própria vida em defesa da pátria, se houver uma guerra, assim como é exigido dos homens e sempre foi exigido dos homens em todos os países.
As mulheres sofrem com as flutuações hormonais mensais, provocando variações tremendas de humor; mas nós homens não temos mais a obrigação de sermos compreensivos e tolerantes com os defeitos e as TPMs das mulheres. Olho por olho, dente por dente. O sofrimento físico, amoroso, sentimental e psiquico dos homens são constantemente ridicularizados e minimizados pelas mulheres feministas e agora elas querem que nós tenhamos compreensão pelo sofrimento das feministas?


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!